Página Inicial » História Islâmica » China » Chineses sob olhares abássidas
China sob olhares abássidas

Chineses sob olhares abássidas

As relações amistosas e belicosas entre muçulmanos e chineses deram ao mundo muito do que temos hoje em termos de comercio, difusão do conhecimento, inventos e inclusive o próprio papel foi difundido no mundo por muçulmanos que derrotaram os chineses numa batalha e levaram de espolio fabricantes de papel.

O apogeu do califado abássida coincide com o auge da dinastia Tang na China (619-907). A capital abássida de Bagdá era o centro do mundo em seu tempo, incomparável em todos os sentidos. Viagens para descobrimentos e intercâmbios culturais eram financiadas pelo próprio califa, o que incentivou muitos muçulmanos a viajar ao extremo Oriente em busca de ”novidades e aventuras”. Relatos árabes sobre a China imperial mostram uma sociedade altamente organizada e regulamentada. De acordo com seus visitantes árabes, o governo chines se preocupava com o bem-estar dos seus cidadãos. Se uma pessoa doente é pobre “, a ele é dado o custo de seus medicamentos por conta do tesouro público”.

Os cidadãos pagam um imposto justo quando atingem a idade de 18 anos. As pessoas mais velhas não têm de pagar impostos, mas recebem uma pensão. Cada cidade tem uma escola e um professor e os filhos dos pobres são alimentados a partir do erário público. “Os chineses, seja pobres ou ricos, jovens ou velhos, todos aprendem a formar letras e escrever.”

O visitante muçulmano da China de nome Abu Zayd elogia a “governação admirável” dos chineses. Eles têm Estado de Direito. Direito é feito “onde quer que ele é devido ” e nenhum olho cego é voltado para “os malefícios dos de status elevado”. Um chefe eunuco controla as finanças do Estado. A renda do estado consiste nos direitos exclusivos do governante de vender sal e chá. Os árabes não conheciam o chá antes de viajar para a China. Nas notas de Abu Zayd, ele descreve o chá como “uma planta que eles bebem com água quente e que é vendido em cada cidade por grandes somas de dinheiro. Para prepará-lo, a água é fervida, em seguida, as folhas são aspergidas sobre ela, e eles usam como um antídoto para todas as doenças “.

Recomendado para você:  A Revolução Abássida

Os viajantes árabes ficavam impressionados pela forma como os chineses eram diligentes. “De toda a criação de Deus, os chineses estão entre os mais hábeis em gravura e fabricação e em todo tipo de embarcações. Na verdade, ninguém de qualquer nação tem a vantagem sobre eles neste aspecto”.

Mas nem tudo era admirável aos olhos árabes. Eles ficaram horrorizados pela falta de higiene dos chineses. O uso chines de “apenas papel, não de água, para limpar seus traseiros depois de defecar” e não limpar os dentes e as mãos antes de comer chocavam muito os visitantes árabes. Os cronistas árabes ficavam revoltados com algumas das práticas sexuais dos não-muçulmanos. Eles não aceitavam o hábito chinês de ter relações sexuais com suas mulheres, mesmo quando elas estavam menstruando e das praticas de prostituição altamente organizadas. “Os chineses sodomizam meninos que são fornecidos para o prazer, assim como as prostitutas do templo”.

Em alguns aspectos, os exploradores árabes viviam em um mundo melhor que o nosso. Embora hoje em dia o rinoceronte é considerado na Índia como uma espécie vulnerável, devido à caça excessiva; o cronista árabe relata que eles são encontrados “em grande número em todos os reinos da Índia”. Ele relata ter comido a carne dos rinocerontes porque “é permitida para os muçulmanos.” Ele ficou impressionado com a força do rinoceronte. “Nenhum outro animal que é igual em força. Um elefante fugiria com medo de um rinoceronte. “

Como em nossos tempos, a estabilidade política e de comércio nunca duram para sempre. No último trimestre do 9 º século uma rebelião enfraqueceu a dinastia Tang. Milhares de comerciantes estrangeiros em Khanfu e Guangzhou foram massacrados e comércio árabe-chinês chegou a um impasse. No entanto, o comércio indireto continuou com mercadores árabes que compravam, por exemplo, porcelana chinesa através da Índia.

Recomendado para você:  Al-Khawarizmi e a Matemática Moderna

Foi exatamente neste período de declínio que o famoso viajante do Iraque, Ibn Fadlan, realizou suas viagens. Ele escreveu sobre seus encontros com novas culturas, entre elas os vikings, em sua Missão ao Volga. E dos relatos de Ibn Fadlan que veem a maioria das informações que temos sobre eles.

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.