Página Inicial » História Islâmica » A batalha de Ayn Jalut

A batalha de Ayn Jalut

Desde a Batalha de Badr (em 13 de março de 624) o mundo muçulmano não havia ficado cara a cara com a extinção, como ocorreu na batalha de Ayn Jalut. E assim como o profeta Muhammad havia triunfado em Badr 600 anos antes, os mamelucos triunfaram sobre os exércitos combinados dos mongóis, cruzados e armênios na batalha de Ayn Jalut em 3 de Setembro de 1260. O mundo muçulmano sobreviveu por uma margem tão pequena como qualquer outra permitida pela história de qualquer civilização.

Com os mongóis recuando da Europa Central após a ultrapassagem Hungria e Polônia, tornou-se óbvio para os poderes cristãos que a Europa Ocidental estava salva. No Conselho de Lyon (1245) os europeus resolveram buscar uma aliança com os mongóis contra os muçulmanos. Em 1246, uma das delegações sob João de Plano Carpini alcançaram Korakorum, a capital mongol, fazendo propostas a Kuyuk, o Grande Khan. Dois dos ministros de Kuyuk eram cristãos e João foi recebido cordialmente. A segunda delegação sob Anselmo, um padre dominicano, foi enviada em 1247. Luis, rei da França, enviou uma terceira delegação sob William de Rubruquis em 1253. Hayton, rei da Armênia, representou a si mesmo viajando para Korakorum em 1254.

As propostas cristã aos mongóis se mostraram interessantes, e foram recompensadas com promessas de ajuda militar. Nas clausulas dos acordos, as populações cristãs das grandes cidades que seriam conquistadas pelos mongóis seriam poupadas, e a chacina continuaria apenas contra muçulmanos. A exemplo, na invasão e destruição de Bagdá por Hulagu em 1258, a população cristã da cidade foi salva da ira mongol, e reunida em uma catedral. Hulagu, o destruidor de Bagdá, tinha várias esposas, das quais Dokuz Khatun, uma cristã nestoriana, era a líder. Tão vislumbrados estavam os cristãos com o sucesso inicial de Hulago contra os muçulmanos, que o Papa Alexandre IV escreveu a Hulagu em 1260, expressando seu prazer que se este ultimo adotasse a fé cristã.

Recomendado para você:  O Islam realmente se espalhou pela Espada?

A notícia da queda de Bagdá (1258) foi recebido com grande alegria na Europa cristã, que viu nela uma oportunidade para corrigir a perda de Jerusalém. Foi durante este período que os Assassinos fatímidas enviaram uma delegação para Henrique III da Inglaterra pedindo sua ajuda para protegê-los contra os mongóis. A resposta do Bispo de Winchester foi sucinta: “Que aqueles cães devorem uns aos outros e sejam totalmente eliminados, e depois veremos, fundada sobre suas ruínas, a Igreja Católica universal”.

O eixo cristão-mongol continuou sua agressão contra territórios muçulmanos. Enquanto os mongóis devastavam a Ásia, os cruzados continuaram sua ofensiva no leste do Mediterrâneo e Norte da Africa. Em 1218, um exército alemão invadiu o Egito, ocupado Damietta e seguiu em direção ao Cairo. Os egípcios permitiram que os invasores penetrassem no delta, em seguida, abriram os diques do Nilo, imobilizando e afogando o exército alemão. Em 1261, os franceses tentaram uma invasão do Norte da África, enquanto a Espanha e Portugal estavam militarmente ativos na costa marroquina.

Enquanto isso, Hulagu seguia com o saque de Bagdá e com a captura do Iraque e da Síria. Após consulta com seus astrólogos, ele estabeleceu sua base em Maragha. O atabeg Seljuk Shah foi capturado perto de Shiraz e decapitado. Em 1260, Alepo foi invadida e sua população foi condenado à morte. Damasco se rendeu sem luta ao comandante mongol Kitbogha, o Rei armênio Hayton e o Rei Cruzado Bohemundo de Antioquia, que marcharam juntos nas ruas da antiga capital omíada, forçando seus habitantes muçulmanos a ajoelharem-se diante da cruz. Em seguida o eixo cristão-mongol enviou uma mensagem a Kutuz, o sultão mameluco do Egito, para se render ou enfrentar a aniquilação.

Recomendado para você:  6 importantes conversões ao Islam

As opções diante dos mamelucos eram difíceis. Eles sabiam que se se rendessem ou fossem derrotados em batalha isso significaria a aniquilação e o último bastião da cultura islâmica seria destruído (Embora Delhi houvesse sido salva dos mongóis, o Islã mal tinha se estabelecido nas planícies de Hindustão até o ano de 1260). Jerusalém, Meca e Medina seriam tomadas. Uma convocação geral para a jihad foi lançada por Kutuz, que seria liderada por Baybars . A resposta foi esmagadora e um exército muçulmano motivado avançou através do Sinai em direção à Palestina para combater os invasores.

Os mamelucos eram originários de membros de tribos turcas que haviam se estabelecido nas ilhas do rio Nilo. Assim, eles às vezes são chamados de mamelucos Bahri (ou ‘’marinhos). A palavra mameluco deriva a sua origem a partir da palavra árabe malaka (possuir). Durante os 9 ª e 10 ª séculos, o comércio de escravos era fervilhante ao longo do rio Volga (na Rússia de hoje) e ao redor do Mar Cáspio. Os Vikings (suecos) eram os principais veículos para este comércio. Nos 9 ª e 10 ª séculos, os vikings eram o poder imperial na região do Báltico. Eles conduziam ataques em profundidade no que é hoje a Rússia e a Alemanha, bem como nas terras eslavas dos Balcãs, capturado escravos e vendendo-os aos comerciantes judeus e muçulmanos. Esses escravos eram comprados pelos sultões turcos, que muitas vezes casavam com escravas e as faziam princesas das casas reais, e seus filhos vindo a tornarem-se sultões. Foi assim que a transcendência do Islã elevou escravos e reis. No 13 ª século tanto o Egito como a Índia eram governados por dinastias mamelucas (escravas).

O exército de Baybars reuniu-se contra os exércitos combinados dos mongóis, cruzados e armênios perto de Nazaré em Ain Jalut em setembro de 1260. Uma grande batalha se seguiu. O flanco direito mameluco avançou contra os invasores e forçou-os a recuar. Mas os mongóis contra-atacaram à esquerda e os mamelucos hesitaram. O general Baybars assumiu o comando e em um grito de guerra saiu em defesa do Islã. Os inimigos foram derrotados. Kitbogha foi morto. Hayton, rei da Armênia e Bohemundo, o rei de Antioquia fugiram. Os mongóis foram perseguidos para Alepo e destruídos. Egito e com ele o Hejaz e a Palestina foram salvos. A invencibilidade mongol havia terminado.

Recomendado para você:  Jerusalém e Umar Ibn Al-Khatab

Ain Jalut foi sem dúvida uma das batalhas decisivas da história humana, comparável em sua importância com a Batalha de Tours (765) e batalha de Plassey (1757). Ela marcou o avanço mais distante dos mongóis em toda a Eurásia. Com a derrota em Ain Jalut, a cristandade perdeu a sua esperança de recuperação de Jerusalém e sua influência sobre a costa síria foi feita insustentável. Os armênios recuaram para seus redutos nas montanhas do Cáucaso. Se os mamelucos houvessem perdido, o Cairo teria encontrado o mesmo destino de Bagdá, a Cruz teria suplantado o Crescente e o xamanismo mongol teria governado sobre os locais mais sagrados do Islã em Meca e Medina.

Após seu retorno de Ayn Jalut, Baybars destronou o sultão Kutuz, e convidou um parente do califa morto, Al Musta’sim, ao Cairo e re-estabeleceu o califado abássida no Egito. A sede temporal do Islã sunita se estabeleceu no Egito, até ser deslocada pelos otomanos em 1517 para Istambul.

Fonte: https://historyofislam.com/contents/the-post-mongol-period/the-battle-of-ayn-jalut/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.