Página Inicial » Arquivos do Autor: Iqara Islam

Arquivos do Autor: Iqara Islam

Sonhos verdadeiros são 1/46 da Profecia – Shaykh Gibril Haddad

Eruditos muçulmanos utilizam dois termos árabes ambivalentes para expressar a palavra “sonho”: ru’ya e hulm, que são respectivamente “visão” e “fantasma” – ambos os quais são mencionados no Alcorão e Sunnah do Profete – que divergem muito em aplicação e significado, o primeiro sendo bom e o último ruim ou sem significado. Quando um sonho tem origem em elevadas fontes ...

Leia Mais »

Regras sobre jogar comida fora – Sheykh Faraz Rabbani

Pergunta 1: Você poderia, por favor, falar um pouco mais sobre a questão de jogar comida fora? Por exemplo: caso eu cozinhe um alimento que, embora comestível, não tem um gosto bom, o que devo fazer com ele? Posso jogá-lo fora? E as migalhas de pães e biscoitos? Podemos jogar essas migalhas no jardim, juntamente com outros pequenos restos de ...

Leia Mais »

Quem ou o quê é um salafi? A abordagem deles é válida? – Sheykh Nûh Hâ Mîm Keller

A palavra “salafi” (salaff) ou “muçulmano primitivo” na erudição islâmica tradicional significa aquele que morreu dentro dos primeiros quatrocentos anos depois do Profeta Muhammad (s.a.w.s.), inclusive sábios como Abu Hanîfa, Mâlik, Shâfi’i e Ahmad ibn Hanbal. Qualquer um que morreu depois disso é um dos khalaf ou “muçulmanos dos últimos dias”. O termo “salafi” foi revivido como um slogan e ...

Leia Mais »

Qual das quatro escolas tem a jurisprudência mais desenvolvida para muçulmanos vivendo como minorias? – Sheykh Nûh Hâ Mîm Keller

Meu primeiro contacto com fiqh al-aqalliyyât, ou a jurisprudência das minorias [muçulmanas] foi numa discussão ano passado com o Dr. Tâhâ Jâbir al-Alwani no Instituto Internacional de Pensamento Islâmico em Herndon, Virgínia. Entendo pelo que ele disse que essa é uma nova área na jurisprudência islâmica, que costumava se chamar fiqh al-nawâzil, ou “jurisprudência dos eventos momentâneos”. O madhhab (escola ...

Leia Mais »

O problema da apostasia no Islã

A Sharî’a consiste de algumas leis que permanecem as mesmas independentemente das circunstâncias mudarem e os outros mudarem com elas. A maior parte da Sharî’a é de acordo com o que indivíduos muçulmanos seguem em suas próprias vidas. Algumas são para juízes implementarem nas cortes. Finalmente, o terceiro segmento de leis é para o governante ou autoridade política implementar baseado ...

Leia Mais »

Introdução Básica ao Usul Al Fiqh -Termos Básicos em Jurisprudência Islâmica

Fiqh Linguisticamente, Fiqh significa ter conhecimento em algo. Como um termo de jurisprudência, Fiqh assume dois significados: Ter conhecimento das regras da Shariah (Lei Islâmica) que é extraída de fontes legisladoras. Como um exemplo a Fiqh nos permite saber das regras do aborto; entretanto, nós devemos saber como e de onde esta regra foi tirada. Esta definição é sinônima ao ...

Leia Mais »

Plovdiv: a Granada do Oriente – Sheykh Abdul Hakîm Murad

Quando o viajante turco Evliya Çelebi atravessou a cidade balcânica de Plovdiv em 1650, não economizou louvores panegíricos otomanos para descrever essa “cidade maravilhosa”. Ele contou cinquenta e três mesquitas, setenta escolas alcorânicas, nove madrassas, sete colégios para recitação alcorânica avançada, oito banhos públicos e onze zâwiyas (centros sufis). Das vizinhanças da cidade, trinta e três cidades eram muçulmanas, cinco ...

Leia Mais »

Entendendo os Quatro Madhâhib (escolas) e o problema com o antimadhhabismo – Sheykh Abdul-Hakim Murad

  A grande aquisição da Ummah (comunidade islâmica) no último milênio indubitavelmente tem sido sua coesão intelectual interna. Do quinto século da Hégira até quase os dias de hoje e a despeito do drama externo do embatimento de dinastias, os muçulmanos sunitas mantiveram uma atitude quase infalível de respeito religioso e irmandade entre eles mesmos. É um fato contundente que ...

Leia Mais »

Mitos perigosos disseminados sobre Muçulmanos Sufis – Detratores e admiradores adotam os mesmos equivocos

O ataque à mesquita al-Rauda no Sinai na sexta-feira passada, durante o qual terroristas reivindicaram pelo menos 305 vidas, foi muito possivelmente a atrocidade terrorista mais mortal na história do Egito moderno e um dos maiores ataques terroristas de todo o mundo. Já que a mesquita era muito frequentada por muçulmanos ligados a uma ordem sufi, o massacre também trouxe ...

Leia Mais »