Página Inicial » História Islâmica » As Histórias Esquecidas de Muçulmanos que Salvaram Judeus durante o Holocausto

As Histórias Esquecidas de Muçulmanos que Salvaram Judeus durante o Holocausto

Mesmo nos tempos mais sombrios, há heróis – e algumas vezes eles podem ser as pessoas que menos esperamos.

Esta é a mensagem que um grupo global sem fins lucrativos espera espalhar nesta sexta-feira no ”Holocaust Remembrance Day”, quando será exposta numa sinagoga em Nova Iorque uma pequena exibição destacando as histórias pouco conhecidas de muçulmanos que arriscaram suas vidas para salvar judeus da perseguição durante a Segunda Guerra Mundial. Embora os dois grupos religiosos sejam muitas vezes apresentados em oposição, esta exposição é um lembrete de que eles também têm compartilhado uma importante história de cooperação e assistência mútua.

Os contos incluem os de Khaled Abdul Wahab, que abrigou cerca de duas dúzias de judeus na Tunísia, e Abdol Hossein Sardari, um diplomata iraniano que é creditado com a ajuda dada a milhares de judeus para escaparem dos soldados nazistas, emitindo-lhes passaportes.

O grupo também reconhece os Pilkus, uma família muçulmana da Albânia que abrigou a jovem Johanna Neumann e sua mãe em sua casa durante a ocupação alemã e convenceu os outros de que as duas eram membros da família em visita vindas da Alemanha. “Eles colocaram suas vidas em risco para nos salvar”, disse Neumann, de 86 anos, à TIME na sexta-feira. “Se tivesse sido dito que éramos judeus, toda a família teria sido morta”.

“O que essas pessoas fizeram, muitas nações europeias não o fizeram”, acrescentou ela. “Todas elas se uniram e estavam determinadas a salvar judeus”.

forgotten-stories-muslim

Fila superior, da esquerda para a direita) Behic Erkin, Rei Zog I da Albânia, Noor Inayat Khan; (Linha inferior, esquerda para a direita) Mohamed Helmy, Rifat Abdyl Hoxha, Ahmed Pasha Bey

A coleção de 15 histórias mostram como as pessoas organicamente vieram para proteger uns aos outros, mesmo em ambientes extremos de guerra e conflito, disseram os organizadores. “Essas histórias são muito poderosas em conjunto porque mostram um lado diferente para a humanidade. Isso mostra que podemos ter esperança mesmo em um momento como o Holocausto “, disse Mehnaz Afridi, um professor do Manhattan College que se especializou no Islã e no Holocausto.

Recomendado para você:  O Islam realmente se espalhou pela Espada?

Embora as narrativas estejam expostas em um dia observado por recordar o passado, elas também são vitais para se lembrar no mundo de hoje “, dado o aumento do ódio”, disse Dani Laurence Andrea Varadi, co-diretora da I Am Your Protector, a organização por detrás da exposição.

O grupo de Nova Iorque incentiva as sociedades e as pessoas a enfrentarem as injustiças, e Varadi aponta como um exemplo para o clima enfrentado por muitos muçulmanos ao redor do mundo e nos EUA como um exemplo do que pode acontecer quando um grupo de pessoas está sendo visto como um monólito e não como indivíduos. Os crimes de ódio contra os muçulmanos nos EUA subiram 67% em 2015 de 154 em 2014 para 257, os números mais recentes mostrados pelo FBI. Durante sua campanha, o presidente Donald Trump se comprometeu a proibir temporariamente os muçulmanos de entrarem no país. Ainda esta semana, a administração do Trump anunciou novos planos de imigração, e da Casa Branca é esperado para pedir que os EUA temporariamente parem a emissão de vistos para as pessoas de vários países de maioria muçulmana.

“Isso faz com que as pessoas pensem que é legítimo odiar”, disse Varadi. “É natural e normal estar assustado e pensar que temos que resistir ou lutar, mas também podemos ter um mecanismo onde podemos parar e dizer: ”OK, há algumas pessoas que podem ser problemáticas, e nós podemos olhar para elas um a um. ‘”

Ela acrescentou que os contos históricos de coragem mostram o impacto que pode ser feito quando as pessoas protegem alvos de ódio em climas de crescente medo e suspeita. Varadi espera que as histórias inspirem os outros a seguirem o exemplo.

Recomendado para você:  A vida do Imame Abu Hanifa

“Podemos falar, defender o outro quando testemunhamos algo, elevar nossas vozes de uma maneira pacífica e não-violenta”, disse. “Sempre que as pessoas pensam: ‘Não há nada que eu possa fazer. Eu não posso fazer a diferença, “esta é a coisa mais perigosa de pensar, porque não é verdade”.

A exposição estreou na sede das Nações Unidas em Genebra, há algumas semanas. I Am Your Protector irá reviver a exibição para um evento de comemoração de um dia sexta-feira no Temple Emanu-El em nova Iorque . No entanto, os organizadores esperam que as histórias tenham um efeito duradouro.

“Acho que a história mostra que as pessoas se defendem – e essas foram as que criaram a mudança. E se houverem pessoas suficientes que façam isso, então toda a realidade mudará “, disse Varadi. “Quando as comunidades vêm juntas com essa mentalidade, seja pequena ou grande, tornam-se uma força enorme que pode basicamente mudar o curso da história.”

Fonte: http://time.com/4651298/holocaust-memorial-day-muslims-jews/?xid=time_socialflow_facebook

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.