Página Inicial » História Islâmica » As Cruzadas Parte 2: A Ocupação
As Cruzadas Parte 2 A Ocupação Islam Islamismo Allah Muhammad

As Cruzadas Parte 2: A Ocupação

Na Parte 1 desta série, analisamos as causas para a invasão Cruzada e a captura do terceiro local mais sagrado do Islam, Jerusalém. A série sobre as Cruzadas continua aqui com a ocupação das terras muçulmanas.

Na sexta-feira, 9 de agosto de 1099, foi o 29º dia do Ramadan. De repente, Abu Saad al-Harawi, um qadi respeitável (juiz muçulmano), invadiu a principal mesquita de Bagdá e começou a comer publicamente na frente de todos, apesar de ser no Ramadan. Ele tinha acabado de viajar por três semanas de Damasco para levar a notícia da perda de Jerusalém e despertar os muçulmanos para a ação. Ele imaginou que nada iria receber mais atenção do que comer durante o dia no Ramadan. O povo de Bagdá começou a chorar por conta da cidade santa perdida. Al-Harawi contou o acontecido perante o califa do Islam, um jovem chamado al-Mustazhir. O Califa prometeu montar um comitê para explorar uma possível retaliação. Acabou sendo apenas uma promessa.

Mapa da Invasão CruzadaOs muçulmanos da época não estavam em posição para enfrentarem o forte exército cruzado. Os insignificantes emires turcos travaram guerras regulares uns contra os outros, deixando cidades e campos em ruínas. O próprio Califa, na verdade, não tinha poder real em tudo, ele era nada mais do que um fantoche nas mãos dos generais turcos. A unidade pan-islâmica que foi vista nos primeiros séculos do Islam era nada mais do que uma antiga lenda neste momento.

Enquanto isso, os cruzados eram fortes e unidos, e determinados, qualidades que os muçulmanos da época não tinham. Eles estabeleceram quatro reinos cruzados ao longo da costa do Mediterrâneo, e governou-os como se fossem principados europeus na França ou na Alemanha. Embora os muçulmanos tenham sofrido uma limpeza étnica na maioria das cidades conquistadas, como Jerusalém, Antioquia, e Beirute, a maioria dos camponeses árabes (muçulmanos, cristãos, cristãos orientais) rurais permaneceram nos territórios conquistados. No próprio Reino de Jerusalém, mais de 300.000 árabes viviam.

Recomendado para você:  Jerusalém e Umar Ibn Al-Khatab

Um aspecto único deste dessa ocupação foi a lenta assimilação dos cruzados à cultura muçulmana. Nos séculos antes das Cruzadas, os muçulmanos tinham estado na vanguarda da inovação científica, filosófica, tecnológica e cultural. Enquanto a Europa estava lutando através da Idade das Trevas da ignorância, o mundo muçulmano tinha uma qualidade de vida inédita na Europa. Como o cronista árabe Usamah Ibn Munqidh, um contemporâneo das Cruzadas, escreveu: “Todos aqueles que foram bem informados sobre os europeus, os viam como bestas superiores em coragem e luta, mas em nada mais, assim como os animais são superiores em força e agressão “.

Lentamente, as práticas dos muçulmanos começaram a permear na cultura das forças de ocupação. Enquanto os muçulmanos não aprenderam nada com os cruzados além de idéias européias de construção de castelos, os cruzados começaram a imitar as ações de seus súditos muçulmanos. A medicina muçulmana, língua, agricultura, engenharia e matemática, todos fizeram o seu caminho para o Ocidente através das Cruzadas. Até mesmo o jogo icônico de xadrez, que foi originalmente desenvolvido na Pérsia, foi introduzido na Europa através deste conflito.

No entanto, a invasão dos cruzados no mundo muçulmano não criou qualquer coisa perto de uma sociedade multi-religiosa utópica (que realmente existiu neste momento na Espanha muçulmana). Civis muçulmanos estavam em constante medo de massacre pelos europeus estrangeiros. Por exemplo, de acordo com fontes dos cruzados, em novembro de 1098, os cruzados massacraram todos os civis na cidade síria de Ma’arra, e depois passaram a comer seus corpos. Contos de tais brutalidades nas mãos dos europeus tirou lentamente o mundo muçulmano de seu sono. Mas no início dos anos 1100, a vitória ainda parecia longe. Não foi antes da liderança de Imad al-Din Zengi nos anos 1130 que a maré começou a virar.

Recomendado para você:  A vida do Imame Abu Hanifa

A ser continuado na Parte 3 das Cruzadas

Bibliografia

Hodgson, M. (1961). The Venture of Islam . (Vol. 2). Chicago: University of Chicago Press.

Crusades in The New Catholic Encyclopedia, New York: McGraw-Hill Book Company, 1966, Vol. IV

Maalouf, A. (1984). The Crusades Through Arab Eyes. New York: Schocken.

Fonte: http://lostislamichistory.com/the-crusades-part-2-occupation/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.