Página Inicial » História Islâmica » Expansão do Islam » Alp Arslan, o Leão do Império Seljúcida
Alp Arslan, o Leão do Império Seljúcida

Alp Arslan, o Leão do Império Seljúcida

Foi o segundo sultão do império seljúcida e grande neto de Seljuq, o homônimo fundador da dinastia. Seu verdadeiro nome era Muhammad bin Dawud Chaghri, e pelas suas proezas militares, valentia pessoal e habilidades em combate, que ele obteve o nome de Alp Arslan, que significa “heróico leão”, em turco.

Alp Arslan sucedeu seu pai Çağrı Bey como governador de Khorasan em 1059. Seu tio Tughril morreu e foi sucedido por Suleiman, o irmão de Arslan. Arslan e seu tio Kutalmish contestaram esta sucessão. Arslan derrotando Kutalmish pelo trono, teve sucesso em 27 de abril de 1064 tornando-se sultão, o Grande Seljuq, tornando-se único monarca da Pérsia a partir do rio Oxus até o Tigre.

Ao consolidar o seu império e subjugar as facções em disputa, Arslan foi habilmente assistido por Nizam al-Mulk, seu vizir, e um dos estadistas mais eminentes no início da história islâmica. Com a paz e segurança estabelecidas em seus domínios, Arslan convocou uma assembléia dos estados e declarou seu filho Malik Shah I seu herdeiro e sucessor. Com a esperança de capturar Cesaréia Mazaca, capital da Capadócia, ele colocou-se à frente da cavalaria turca, cruzaram o Eufrates, entrou e invadiu a cidade. Junto com Nizam al-Mulk, ele então marchou para a Armênia e Geórgia, que ele conquistou só em 1064.

Lutando contra os bizantinos

No caminho para a Síria em 1068, Alp Arslan e seu exército atacaram o Império Bizantino. Tendo o imperador Romanos Diógenes IV, comandado em pessoa o exercito bizantino, reunindo os turcos para o combate em Cilícia. Em três campanhas árduas, os turcos foram derrotados e conduzidos através do Eufrates em 1070. As duas primeiras campanhas foram conduzidas pelo próprio imperador, enquanto a terceira foi dirigida por Manuel Comnenos, tio-avô do imperador.

Em 1071 os bizantinos novamente entraram em campo e avançaram para a Armênia possivelmente com 30.000 homens, incluindo um contingente de Cuman turcos, bem como contingentes de francos e normandos, sob Ursel de Baieul. No Manzikert, no Rio Murat, norte do Lago Van, Diógenes foi encontrado por Alp Arslan. O sultão propôs termos de paz, que foram rejeitados pelo imperador, e as duas forças travaram a Batalha de Manzikert. Os mercenários Cuman entre as forças bizantinas imediatamente desertaram para o lado turco. Vendo isso, os mercenários ocidentais partiram e não tomaram parte na batalha. Para ser exato, os bizantinos foram traídos pelo general Andrónico Ducas, filho do César, que o declarou morto e partiu com uma grande parte das forças bizantinas em um momento crítico. Os bizantinos foram totalmente derrotados.

Recomendado para você:  O Sultonato de Malaca

O imperador Diógenes IV foi preso e conduzido à presença de Alp Arslan. Depois de um ritual de humilhação, Arslan o tratou com generosidade. Após termos de paz serem acordados, Arslan dispensou o Imperador, carregado de presentes e respeitosamente com presença de uma guarda militar. A conversa a seguir se diz ter ocorrido depois de Diógenes ter sido levado como prisioneiro diante do Sultão:

Alp Arslan : “O que você faria se eu fosse trazido diante de você como um prisioneiro?”

Diógenes: “Talvez eu te mataria, ou te humilharia, expondo-te nas ruas de Constantinopla.”

Alp Arslan : “Meu castigo seria muito mais pesado de que este, porem eu te perdoo, e irei libertá-lo.”

As vitórias de Alp Arslan mudaram o equilíbrio na Ásia, totalmente a favor dos turcos seljúcidas e sunitas muçulmanos. Enquanto o Império Bizantino iria continuar por quase quatro séculos a mais, e as Cruzadas fossem começar em pouco tempo, a vitória em Manzikert sinalizaram o início da ascendência turca na Anatólia. A maioria dos historiadores, incluindo Edward Gibbon, data a derrota em Manzikert como o início do fim do Império Romano do Oriente. Certamente a entrada de turcos agricultores seguindo seus cavaleiros ajudou com o fim bizantino na Anatólia, que tinha fornecido o Império com homens e tesouro.

A Organização do Estado

A força de Alp Arslan estava no domínio militar. Assuntos internos foram tratados pelo seu capacitado vizir, Nizam al-Mulk, o fundador da organização administrativa que caracterizou e fortaleceu o sultanato durante os reinados de Alp Arslan e seu filho, Malik Shah. Feudos militares, regidos por príncipes seljúcidas, foram estabelecidos para fornecerem suporte aos soldados e para acomodar os turcos nômades no cenário agrícola da Anatólia. Este tipo de feudo militar permitiu aos turcos nômades para aproveitarem os recursos dos persas sedentários, turcos e outras culturas estabelecidas dentro do reino seljúcida e permitiu Alp Arslan ter em campo um enorme exército permanente, sem depender de tributo de conquista para pagar seus soldados. Ele não só tinha comida suficiente para manter seus súditos e manter suas forças armadas, mas os impostos cobrados dos comerciantes e mercadores adicionavam a seus cofres o suficiente para financiar suas guerras contínuas para estabelecer seu estado.

Recomendado para você:  5 invenções Islâmicas que mudaram o mundo

Suleiman ibn Kutalmish era o filho do candidato para o trono de Arslan; ele foi nomeado governador das províncias do noroeste e atribuído ao completar a invasão da Anatólia. Uma explicação para essa escolha só pode ser a conjectura de Ibn al-Athir, que conta que antes da batalha entre Alp-Arslan e Kutalmish, em que ele escreve que Alp-Arslan chorou pela morte deste último e muito lamentou a perda de seu parente.

Morte

Após Manzikert, o domínio de Alp Arslan se estendeu por grande parte da Ásia ocidental. Ele logo preparou-se para marchar para a conquista do Turquestão, a terra original de seus antepassados. Com um poderoso exército, ele avançou para as margens do Oxus. Antes que ele pudesse cruzar o rio com segurança, no entanto, era necessário dominar certas fortalezas, uma dos quais era por vários dias vigorosamente defendida pelo governador, Yussuf el-Harezmi , um corásmio. Ele foi obrigado a render-se, no entanto, e foi levado como prisioneiro antes de o sultão, que o condenou à morte. Yussuf, em desespero, sacou sua adaga e atacou o sultão. Alp Arslan, que tinha muito orgulho de sua reputação como o arqueiro mais importante do seu tempo, fez um sinal para seus guardas não interferirem. Ele puxou seu arco, mas seu pé escorregou, a seta desviou para o lado, e ele recebeu a adaga do assassino em seu peito. Alp Arslan morreu por conta deste ferimento, quatro dias depois, em 25 de Novembro 1072, com 42 anos, e ele foi levado para Merv para ser enterrado ao lado de seu pai, Chaghri Beg. Em seu túmulo encontra-se a seguinte inscrição:

“Ó aqueles que viram a grandeza gigantesca de Alp Arslan, eis! Ele está sob a terra preta agora … “

Quando estava morrendo, Alp Arslan sussurrou para seu filho que sua vaidade o havia matado. “Ai de mim”, ele é lembrado por ter dito:

“cercado por grandes guerreiros dedicados à minha causa, noite e dia vigiado por eles, eu deveria ter permitido que eles fizessem o trabalho deles. Eu tinha sido advertido, e eles tentaram me proteger, e eu deixei minha coragem ficar no caminho do meu bom senso. Esqueci essas advertências, e aqui eu estou, morrendo em agonia. Lembre-se bem as lições aprendidas, e não permita que a sua vaidade supere o seu bom senso … “

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.