Página Inicial » História Islâmica » Afeganistão » A Primeira Guerra Anglo-Afegã
A Primeira Guerra Anglo-Afegã Allah Islam Islamismo Muhammad Afeganistão
Campo no Afeganistão

A Primeira Guerra Anglo-Afegã

Poucas regiões no mundo muçulmano viram tantas guerras nos tempos modernos como o Afeganistão. Intervenções estrangeiras e invasões têm sido uma ameaça quase constante para a nação desde o início dos anos 1800. A União Soviética na década de 1980 e os Estados Unidos na década de 2000 experimentaram o que significa lutar no ambiente implacável do Afeganistão, mas a primeira potência ocidental na incursão na região foi a Grã-Bretanha. De volta a 1800, quando a Grã-Bretanha estava consolidando seu controle sobre a Índia, ela olhou para o noroeste, para o Afeganistão, para servir como um tampão para o crescente Império Russo. O resultado foi a Primeira Guerra Anglo-Afegã, que durou entre 1839 e 1842.

Contexto

Ao longo da história, o Afeganistão e a região ao redor tem sido marcados por divisões étnicas e tribais. Pashtuns dominam o Leste e Sul do país, o centro é principalmente Hazara, e os turcomanos, uzbeques e tadjiques podem ser encontrados em todo o Norte. Cada grupo teve historicamente a sua própria identidade, cultura, língua e lealdades, e, portanto, qualquer tipo de unidade nacional entre os inúmeros grupos étnicos tem sido difícil de encontrar. Além disso, desde o surgimento dos impérios da pólvora no século XVI, o Afeganistão tem servido como um ponto de discórdia entre o Safávidas Pérsas para o oeste e os Mongóis da Índia, a leste.

Os grupos étnicos do Afeganistão. Os pashtuns dominam o Sul e Leste e tradicionalmente fornecem a maior parte do apoio aos governos de Cabul.

Os grupos étnicos do Afeganistão. Os pashtuns dominam o Sul e Leste e tradicionalmente fornecem a maior parte do apoio aos governos de Cabul.

Apesar das divisões étnicas e quase constante estado de guerra imperial, o primeiro Estado afegão começou a tomar forma no final de 1700, sob a liderança de Ahmad Shah Durrani (entre 1747 e 1772), que estabeleceu um reino baseado em Kandahar que conseguiu sobreviver entre os reinos mongol e safávidas. Ele baseou-se principalmente sobre os pashtuns no apoio mas ele também incluiu os outros grupos étnicos da região em sua administração, evitando assim que o seu reino caisse em uma guerra civil étnica.

Mas o Estado afegão fundado por Ahmad Shah logo teve que lidar com a ascensão dos impérios britânico e russo em 1800. A British East India Company tinha conseguido usar uma combinação de clientelismo, corrupção e guerra definitivas para trazer grandes extensões da Índia sob seu controle, nos séculos XVIII e XIX. Enquanto isso, o Império Russo lentamente anexava grandes porções dos khanates turcos da Ásia Central que faziam fronteira com o Afeganistão ao norte.

Para os britânicos, o crescimento da Rússia era uma ameaça. Eles temiam que, se os russos continuarem a se expandir para o sul, eles poderiam usar o Afeganistão como base para atacar a Índia britânica. Com as montanhas do Himalaia proporcionando uma fronteira no norte segura para a Índia, o único caminho para uma invasão por terra era através das passagens de montanha no alto das montanhas de Hindu Kush que se localizavam no Afeganistão. Na verdade, este havia sido o principal ponto de entrada para inúmeras invasões para a Índia ao longo da história.

Os britânicos tentaram, assim, usar o Afeganistão como um tampão contra a expansão russa na década de 1830. O emir (equivalente a rei) do Afeganistão na época era Dost Mohammad Khan, que governou a partir da cidade de Cabul, no leste do Afeganistão, perto dos passes que levam para a Índia. Se Dost Mohammad pudesse impedir os russos de invadirem o Afeganistão, os britânicos iriam se sentir mais seguros na Índia, e eles esperavam que as relações fossem pacíficas entre os afegãos e os russos e não uma guerra.

As habilidades diplomáticas de Dost Mohammad estavam em falta, no entanto, e no final da década de 1830, os russos se aliaram com os persas contra os afegãos, sob o pretexto de recuperar a cidade de Herat para a Pérsia. Neste ponto, os britânicos decidiram que todas as esperanças de diplomacia entre afegãos e os russos haviam desaparecido. Em vez disso, eles eram favoráveis a uma nova abordagem que envolvia uma invasão em grande escala do Afeganistão, a derrubada de Dost Mohammad Khan e do estabelecimento de um novo emir, Shah Shujah Durrani, que seria firmemente pró-britânico.

Recomendado para você:  Caligrafia Otomana Tughra

A Invasão

No final de 1838, os britânicos mobilizaram mais de 20.000 soldados para a invasão do Afeganistão, sendo a maioria deles indianos que serviam como sipaios no exército privado da British East India Company. O exército britânico era uma força moderna, disciplinada e bem treinada. Os afegãos, no entanto, não tinham a tecnologia mais recente no campo de batalha e não se conformavam com modos europeus de guerra. Em vez das linhas puras e estáveis de infantaria e mosquete voleios que os generais europeus preferiam, guerreiros afegãos operavam como uma força de combate irregular. E embora Dost Mohammad tivesse quase 40.000 soldados de cavalaria à sua disposição e poderia chamar dezenas de milhares de guerreiros Ghilzai das regiões em torno de Cabul, disciplina e lealdade eram raros entre seus soldados. Além disso, as rivalidades e os interesses conflitantes entre as diferentes tribos que compunham as forças armadas impediu o exército inteiro de operar como uma única unidade. Apesar disso, o Ghilzais em particular, tinham o potencial para ser uma força de combate muito eficaz com base em sua tenacidade e capacidade de emboscada. Eles não eram soldados em tempo integral e foram, portanto, muito difíceis de controlarem e perseguirem na batalha, uma vez que poderiam abandonar a batalha e se misturar com a população local. Suas habilidades em batalha viriam a revelarem-se decisivas após a invasão inicial.

Quando os britânicos invadiram no início de 1839, eles vieram através da passagem de Bolan, sul do Afeganistão, em vez da rota de invasão esperada, que corria através da passagem de Khyber. No momento que Dost Mohammad percebeu, era tarde demais para ele defender Kandahar, sua cidade mais ao sul, que caiu para os britânicos, em abril de 1839. Dost Mohammad esperava que suas forças entrincheiradas em Ghazni, uma fortaleza na estrada para Cabul, iriam segurar os britânicos tempo suficiente para ele mobilizar suas forças, especialmente os Ghilzais.

O ataque britânico de Ghazni

O ataque britânico de Ghazni

Mas Ghazni provou ser nenhum obstáculo para os britânicos. A artilharia moderna juntamente com suas forças disciplinadas conseguiram derrotar a fortaleza. Entre 500 e 1200 afegãos foram mortos, enquanto o Império Britânico só perdeu 17 homens no cerco. Dost Mohammad sabia que os britânicos chegariam em Cabul em breve e tentou fazer um estande final, nos arredores de sua capital. Mas a notícia da capacidade britânica na guerra se espalhou rápido, e o emir teve problemas para mobilizar soldados para defenderem a cidade. Somente 3.000 homens ofereceram seus serviços. A maior parte de seu exército se desfez e se difundiu entre as aldeias locais e áreas rurais.

Dost Mohammad foi, assim, forçado a fugir para a Ásia Central, onde ele esperava poder recrutar um exército no exílio que expulsaria o exército britânico. Os britânicos, por sua vez, entraram em Cabul em agosto, onde ajudaram Shah Shujah Durrani a reivindicar o trono como emir do Afeganistão. Shah Shujah não era uma figura popular na capital e foi amplamente visto como nada mais do que um agente dos invasores. Sua administração foi fraca e tinha problemas para controlar o Afeganistão mas os britânicos conseguiram seu objetivo de garantir as fronteiras do Norte para a Índia temendo uma possível invasão russa. A missão foi um sucesso.

Recomendado para você:  A vida do Imame Abu Hanifa

A Insurgência

A eventual expulsão das tropas britânicas não veio do emir exilado. A tentativa de Dost Mohammad para invadir o Afeganistão, em 1840, terminou em fracasso quando ele se rendeu e foi exilado em Calcutá, na Índia. Em vez disso, a oposição popular para os britânicos vieram de pessoas que viveram sob a ocupação estrangeira.

A ocupação britânica, centrada em Cabul, trouxe grandes mudanças para a vida dos afegãos comuns. Com base em suas experiências na Índia, os britânicos acreditavam que, a fim de fazer a sua ocupação do Afeganistão valer a pena, eles tivessem que reformar o governo e militares do país para se assemelharem aos das nações europeias. Assim, os pagamentos tradicionais distribuídos por Cabul para chefes tribais por sua lealdade foram cortados, em alguns casos, em 50%. Isso enfraqueceu o já baixo nível de lealdade para com Shah Shujah fora de Cabul, e prejudicou a capacidade de tribos rurais a viverem no ambiente hostil do Afeganistão devido à falta de alimentos e suprimentos.

Além disso, a inflação causada pela ocupação britânica tornou a vida muito difícil nas cidades, particularmente Cabul e Kandahar. Como os britânicos e os seus apoiantes se estabeleceram nas cidades, eles trouxeram enormes quantidades de moeda com eles, o que reduziu o valor do dinheiro em geral. As populações urbanas, assim, sofreram pois eles viram os seus rendimentos relativos e poder de compra cairem, assim como a inflação e alta demanda levou o preço dos alimentos para cima. Os estudiosos da religião, os ulemás, sofreram especialmente uma vez que contavam com salários fixos que eram agora quase sem valor. Além disso, muitas das instituições de caridade que eles geriam foram tomadas pelo governo de Shah Shujah para fornecerem mais receitas fiscais, um movimento que eles viam como contrário à lei islâmica.

Foi neste ambiente de descontentamento e frustração que o primeiro grande protesto contra a ocupação britânica ocorreu em novembro de 1841. Manifestantes irritados, liderados por chefes tribais e os ulemás, espalharam-se por toda a cidade para protestar contra a influência britânica na capital. Na confusão, um oficial britânico foi morto. E como os britânicos não fizeram nada para vingarem a morte nos dias após o protesto, os afegãos tiveram a oportunidade de continuar a construir a revolta.

Anciãos tribais e ulemás se espalharam pela paisagem circundante, reunindo os homens para virem até Cabul para expulsar os britânicos. Cerca de 15.000 responderam e rumaram para Cabul. É importante notar que a natureza irregular dos guerreiros do Afeganistão provou ser uma vantagem, sendo que os civis poderiam pegar armas e lutar quando necessário e, em seguida, voltar para as aldeias e dispersar na vida civil quando ameaçados. Este fato impediu os britânicos de serem capazes de parar o crescimento da resistência, que rapidamente se espalhou por todo o país.

Uma vez que os britânicos estavam baseados em várias cidades e fortalezas em todo o Afeganistão, os grupos de soldados britânicos poderiam facilmente ser cercados e presos por guerreiros afegãos. Mesmo em Cabul, o centro de controle britânico, as tropas estrangeiras não foram capazes de fazer muito do lado de fora de suas próprias bases pois os guerreiros afegãos capturaram os suprimentos de lojas britânicas. O comandante das forças britânicas em Cabul, o general William Elphinstone, reconheceu que suas forças estavam em menor número e superada, especialmente quando Mohammad Akbar, filho de Dost Mohammad chegou a Cabul para comandar as forças da resistência. Elphinstone assim conseguiu garantir um acordo que permitisse a retirada britânica para Jalalabad, cerca de 150 quilômetros a leste.

William Brydon chega às portas de Jalalabad, a única sobrevivente

William Brydon chega às portas de Jalalabad, a única sobrevivente

O exército de 4.500 homens de Elphinstone, juntamente com cerca de 12.000 seguidores do acampamento deixaram Cabul em janeiro de 1842 e começaram a marchar para fora do Afeganistão. Como é comum acontecer em uma sociedade tribal como o Afeganistão, tratados e acordos feitos pelo governo central não significavam nada para as tribos Ghilzai que ladeavam a estrada para Jalalabad. Ao longo da marcha, o exército de Elphinstone foi assediado por ondas de guerreiros Ghilzai que corriam regularmente nas colinas para emboscarem os britânicos em passagens estreitas das montanha. Somando-se à esses problemas, o clima do inverno de montanhoso do Afeganistão fez a marcha ainda mais lenta e mais perigosa e centenas de soldados britânicos e indianos morreram apenas por causa do clima.

Recomendado para você:  O Islam realmente se espalhou pela Espada?

Após quatro dias de marcha, apenas cerca de 150 soldados e 4.000 seguidores do acampamento ainda estavam vivos e marchando para Jalalabad. Dentro de mais dois dias, os ataques Ghilzai continuaram e após duras condições meteorológicas, cerca de 20 homens foram deixados. No momento em que Jalalabad foi alcançado, houve apenas um único sobrevivente, o Dr. William Brydon, um cirurgião assistente. A partir de uma força de quase 20.000 homens, apenas um homem conseguiu evitar ser morto ou capturado durante a retirada da capital do Afeganistão. Tão rapidamente quanto os britânicos invadiram e capturaram Cabul, eles também haviam sido derrotados e forçados a sairem da região central do Afeganistão.

Resultado

A destruição completa do exército de Elphinstone foi uma grande vitória para os afegãos. Apesar da desunião tribal e étnica, eles conseguiram unir o suficiente para derrotar decisivamente a maior superpotência do mundo. O governo fantoche britânico em Cabul rapidamente entrou em colapso e Shah Shujah foi assassinado em abril de 1842. Dost Mohammad Khan foi libertado do cativeiro pelos britânicos e voltou ao Afeganistão para retomar a posição de emir no final daquele ano.

A derrota dos britânicos ajudaram a fomentar um sentimento de unidade nacional no Afeganistão, apesar de afiliações tribais ainda serem muito importantes para o afegão comum. Em todo o país, um agudo senso de xenofobia foi desenvolvido em resposta à ocupação britânica. Este sentimento continuaria já que o Afeganistão foi invadido pela Grã-Bretanha novamente na década de 1870 e 1910 e pelos soviéticos e norte-americanos mais de 100 anos mais tarde. Do ponto de vista britânico, a derrota significou o fim absoluto de quaisquer possíveis relações de amizade entre as duas nações. Os afegãos foram caricaturados como bárbaros, rudes, e traiçoeiros e qualquer tentativa de invadir o Afeganistão depois foi precedida por essa mentalidade. Mais importante, no entanto, a derrota significou a perda de respeito entre os indianos que viviam sob o domínio britânico no subcontinente, o que teria um papel na rebelião Sepoy de 1857 na Índia.

A Primeira Guerra Anglo-afegã ajudou o Afeganistão a ganhar uma reputação como o “cemitério de impérios”. Uma lenda surgiu em todo o país de que ele era invencível e isso persiste até hoje. E enquanto essas caracterizações do Afeganistão podem não ser inteiramente verdade, elas continuam a desempenhar um papel importante na consciência nacional do Afeganistão e da forma como ele é visto por pessoas de fora.

Bibliografia

Ewans, Martin. Afghanistan: A Short History of Its People and Politics. New York: HarperCollins, 2002.

Johnson, Robert. The Afghan Way of War: Culture and Pragmatism: A Critical History. London: Hurst &, 2011.

Fonte: http://lostislamichistory.com/the-first-anglo-afghan-war/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam tem o objetivo de trazer informação de qualidade às pessoas que apreciam a busca do conhecimento. Não discutimos religião, não apoiamos terrorismo, não apoiamos guerras ou ditaduras.