Página Inicial » História Islâmica » A Invasão Mongol e a destruição de Bagdá
A Invasão Mongol e a destruição de Bagdá Islamismo Islam Allah Muhammad

A Invasão Mongol e a destruição de Bagdá

Os anos 1200 começaram graciosamente para o mundo islâmico. Os cruzados tinham sido derrotados e Jerusalém libertada em 1187, os fatímidas ismaelitas tinham finalmente sido impedidos de assediarem o mundo muçulmano em meados dos anos 1100, e um poderoso Império Corásmio havia surgido na Pérsia. No entanto, tudo isso em breve iria mudar quando os mongóis implacáveis fizessem o seu caminho para sudoeste da Ásia. A destruição e devastação que deixou em seu caminho tem sido pouco vista em qualquer outro lugar na história.

Quem são os mongóis?

Os mongóis eram uma tribo de nômades da Central / Norte da Ásia. Eles viviam nas estepes da região, contando com um estilo de vida nômade de movimento constante, como um modo de vida. Eles sempre foram dependentes e anexados à seus cavalos, que era o seu principal modo de transporte. Religiosamente, eles eram animistas politeístas. Eles nunca estabeleceram um grande império, organizado, e em vez disso ficaram como uma coalizão de tribos no norte da China.

Ao longo da história, eles entravam geralmente em guerra com seus vizinhos. A China ao sul de fato construiu a Grande Muralha da China durante o reinado do Imperador Shi Huang (247-221 aC) como um meio para manter os mongóis e outros para longe de suas aldeias. Os mongóis também rivalizaram com outros grupos tribais na Ásia Central, como tribos turcas e os tártaros.

Genghis Khan

A história Mongol (e mundial) mudou para sempre durante o reinado de Genghis Khan. Ele era um chefe tribal dos mongóis entre 1206 e 1227. Durante o seu reinado, ele conseguiu unir as diversas tribos mongóis, juntamente com inúmeras tribos turcas também. Com um grupo grande, unificado, ele começou a conquistar toda e qualquer terra onde os cavaleiros mongóis poderiam alcançar.

Ele conquistou a maior parte do norte da China nos anos 1210. Ao fazê-lo, ele destruiu as dinastias Xia e Jin, assim como conquistou Beijing. Ele também conseguiu conquistar a maioria das tribos turcas da Ásia Central, abrindo todo o caminho para a Pérsia. Isso o levou a enviar exércitos para o Leste da Europa, bem como, a atacar terras russas e até mesmo as fronteiras de estados alemães da Europa Central.

Pelos anos 1220, os exércitos de Genghis Khan tinham devastado grande parte da Ásia e até mesmo da Europa

Pelos anos 1220, os exércitos de Genghis Khan tinham devastado grande parte da Ásia e até mesmo da Europa

Mais importante do que o que Genghis Khan conquistou foi como ele conquistou. Ele usou deliberadamente o terror como arma de guerra. Se uma cidade que ele estava sitiando desistisse sem lutar, o seu povo normalmente seria poupado, mas teria que ficar sob controle Mongol. Se a cidade lutou contra os mongóis, todos, incluindo civis, seriam massacrados. Este reinado de terror é uma grande parte da razão pela qual ele era um conquistador de tanto sucesso. As pessoas estavam mais dispostas a desistirem do que sofrerem massacres em sua mão. Por exemplo, quando ele sitiou a cidade de Herat, no atual Afeganistão, matou mais de 1,6 milhões de pessoas.

Recomendado para você:  A Mesquita Al-Aqsa durante as Eras

A Invasão do Mundo Muçulmano

Além de algumas invasões e massacres nas regiões fronteiriças do domínio islâmico, Genghis Khan não invadiu profundamente o mundo muçulmano. Sob seu sucessor, Ogedei, o mundo muçulmano continuou a ser poupado da ira Mongol. No entanto, em 1255 a paz chegaria ao fim. O Grande Khan, Mongke, colocou o seu irmão Hulagu Khan no comando de um exército cujos objetivos eram conquistar a Pérsia, Síria e Egito, assim como para destruir o califado abássida. O objetivo da campanha parece ser uma completa destruição do Islam. Hulagu em si tinha um ódio profundo por tudo ligado ao islamismo. Grande parte desse ódio veio de seus conselheiros budistas e cristãos que influenciaram suas políticas.

O mundo muçulmano neste momento não estava em posição de resistir aos ataques mongóis. O califado abássida era nada além de uma miragem de seu anterior, não tendo nenhum poder fora de Bagdá. A maior parte da Pérsia estava desunida pois o Império Corásmio tinha se deteriorado até então. O estado Aiúbida estabelecido por Salah al-Din estava apenas no controle de pequenas partes do Iraque e da Síria. No Egito, a recente revolução tinha derrubado os descendentes de Salah al-Din e levou ao poder o novo sultanato Mameluco. Com seu exército gigante de centenas de milhares, Hulagu não encontrou muita resistência.

A destruição de Bagdá

Bagdá tinha sido estabelecida em 762 pelo califa abássida al-Mansur. Ao longo de sua história, tinha sido a capital dos muçulmanos, assim como do mundo em geral. As bibliotecas de Bagdá não tinham rivais. A Casa da Sabedoria, criada logo após a construção da cidade, era um ímã para os mais inteligentes cientistas, pensadores, matemáticos e linguistas do mundo. Os califas eram patronos da literatura, da ciência e das artes.

Recomendado para você:  Imam Ahmad ibn Hanbal - O Campeão da Crença Islâmica

Apesar disso, em meados dos anos 1200, grande parte do glamour e importância de Bagdá tinha ido embora. Os califas eram figuras mais interessadas em prazeres mundanos do que servirem a Deus através da servidão ao povo. O exército abássida se tornou inexistente, e só serviu como guarda-costas do califa. E as realizações científicas do mundo muçulmano foram agora centradas em lugares como Cairo, Espanha muçulmana, e na Índia.

O Exército Mongol sitiando Bagdá

O Exército Mongol sitiando Bagdá

Foi nesta cidade histórica que os mongóis chegaram em 1258. Seu exército, estimado em mais de 150.000 soldados, parou diante da cidade que foi apenas uma sombra da grande capital do mundo muçulmano dos anos 800. O cerco começou em meados de janeiro e durou apenas duas semanas. Em 13 de fevereiro de 1258, os mongóis entraram na cidade dos califas.

Uma semana cheia de pilhagem e destruição começou. Os mongóis não mostraram nenhum critério, destruindo mesquitas, hospitais, bibliotecas e palácios. Os livros das bibliotecas de Bagdá foram jogados no rio Tigre em tais quantidades que o rio corria preto com a tinta dos livros. O mundo nunca vai realmente saber a extensão do conhecimento que fora perdido para sempre quando esses livros foram jogados no rio ou queimados.

Mais importante do que os livros, no entanto, foi a perda da vida. Estima-se que entre 200.000 e 1.000.000 de pessoas foram esquartejadas na semana após a destruição. Bagdá ficou completamente despovoada e inabitável. Levaria séculos para Bagdá recuperar qualquer tipo de destaque como uma cidade importante.

Derrota e Resultado

Depois de Bagdá, os mongóis continuaram na direção oeste. Eles conquistaram a Síria dos Aiúbidas, com a ajuda dos armênios e neutralidade dos cruzados. Na Palestina eles chegaram até o limite de suas conquistas. O novo Sultanato Mameluco do Egito, sob a liderança de Baibars derrotou os mongóis na batalha de Ain Jalut em 1260. Isso impediu uma invasão mongol nas terras santas de Meca, Medina e Jerusalém. Isso também garantiu a segurança do único império muçulmano poderoso remanescente do tempo, os mamelucos.

O império criado por Hulagu englobava a maioria dos muçulmanos no Sudoeste da Ásia

O império criado por Hulagu englobava a maioria dos muçulmanos no Sudoeste da Ásia

Apesar de, em última análise, não sendo bem sucedido em sua tentativa de destruir o Islam, os mongóis deixaram uma cicatriz política, econômica e militar no fundo do coração do mundo muçulmano. Regiões inteiras foram despovoadas. Canais de irrigação, campos de cultivo, e infra-estrutura econômica foram destruídos além do que pudesse ser reparo. As instituições políticas, como o califado, que sustentavam o mundo muçulmano em conjunto durante séculos foram simplesmente abolidos.

Recomendado para você:  A vida do Imame Abu Hanifa

O II Canato Mongol estabelecido por descendentes de Hulagu reinaria sobre a Pérsia, o Iraque, e Anatolia por mais de 100 anos. Ao longo de décadas e séculos, os mongóis no sudoeste da Ásia lentamente se converteram ao Islam e foram absorvidos pelas culturas persa / turca. Mas não há como negar o imenso efeito negativo que os mongóis tiveram sobre o mundo muçulmano nos anos de 1200.

A invasão mongol é um dos momentos mais desmoralizantes da história islâmica. A mortes e a destruição dos anos 1200 ainda não foram vistas novamente no mundo muçulmano. Enquanto a maioria dos artigos deste website ilustra as grandes conquistas da história islâmica, é igualmente importante estar ciente dos lados negativos, em particular o que faz com que eles ocorram. O mundo muçulmano foi em grande parte incapaz de repelir a invasão mongol devido a desunião e as instituições políticas e militares fracas. Ao longo da história islâmica, desunião sempre conduziu à invasão e derrota, enquanto a unidade tem levado à grandes impérios islâmicos que beneficiaram o mundo inteiro.

Bibliografia

Frazier, Ian. “Invaders: Destroying Baghdad.” New Yorker. 25 2005: n. page. Web. 17 Nov. 2012. <http://www.newyorker.com/archive/2005/04/25/050425fa_fact4>.

Ochsenwald, William, and Sydney Fisher. The Middle East: A History. 6th. New York: McGraw-Hill, 2003. Print.

Saunders, JJ. A History of Medieval Islam. London: Routledge, 1965. Print.

Fonte: http://lostislamichistory.com/mongols/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.