Página Inicial » História Islâmica » A esquecida História de quando europeus eram refugiados no Oriente Médio
Uma imagem de 1945 de um acampamento para refugiados gregos em Nuseirat, sul da Palestina.

A esquecida História de quando europeus eram refugiados no Oriente Médio

Dezenas de milhares de refugiados fugiam de uma guerra. Eles viajavam através do Mediterrâneo Oriental, uma viagem cheia de perigos. Mas a promessa de santuário no outro lado era muito grande. Não, esta não é a situação enfrentada pelos refugiados sírios, desesperados para escapar da desolação da sua terra natal e encontrar uma vida melhor e mais segura, na Europa. Pelo contrário, é o caso curioso e agora praticamente esquecido das milhares de pessoas da Europa Oriental e dos Balcãs, que foram alojadas em uma série de campos de refugiados por todo o Oriente Médio, incluindo na Síria, durante a Segunda Guerra Mundial.

Com as máquinas de guerra nazista e soviética rolando por partes da Europa Oriental e dos Balcãs, vastas populações civis foram deslocadas em seu rastro. Em áreas ocupadas pelas tropas fascistas, comunidades judaicas e outras minorias indesejadas enfrentaram o ataque mais severo, mas outros, especialmente os suspeitos de apoiar combatentes partidários, também foram alvo de ataques direcionados e evacuações forçadas.

Em meio às perturbações, a rota mais clara de escape para alguns refugiados europeus era o sul e o leste. Muitos croatas que vivem ao longo da costa da Dalmácia fugiram para a ilha de Vis no Mar Adriático, ; Habitantes gregos do Dodecaneso, uma cadeia de ilhas no Mar Egeu, encontraram seu caminho para a proteção britânica no Chipre.

Um esquema liderado pelos britânicos conhecido como Administração de Alivio e Refugio no Oriente Médio ( Middle East Relief and Refugee Administration) lançado em 1942 e facilitado por funcionários com base no Cairo, ajudou a fornecer abrigo para cerca de 40.000 poloneses, gregos e iugoslavos. (Em 1944, a iniciativa poderia ser incluída sob os auspícios das “Nações Unidas”, o termo formal para a aliança aliada.) Os refugiados foram espalhados entre campos no Egito, sul da Palestina e na Síria – sim, Síria. Aleppo, um antigo e próspero centro metropolitano, já era um verdadeiro ponto de emigrantes, exilados e espiões na década de 1940.

Uma foto de 1945 do acampamento de El Shatt no Egito, que mostra mulheres lavando suas roupas ao ar livre.

Com um estudo sobre estes campos de refugiados publicado em abril pela Public Radio International, o esforço atraiu a participação de uma miríade de grupos de ajuda internacional e organizações, que ajudaram a alimentar e abrigar os refugiados e educar centenas de crianças refugiadas. O PRI descreve o processo de seu assentamento :

’Uma vez cadastrados, os recém-chegados seguiam seu caminho através de um exame médico completo. Refugiados dirigiam-se para o que muitas vezes eram instalações hospitalares improvisadas – geralmente tendas, mas ocasionalmente prédios vazios reaproveitado para cuidados médicos – onde eles tiravam as roupas, os sapatos e eram lavados até que os oficiais acreditassem que eles estavam suficientemente desinfectados.”

Alguns refugiados – como gregos que chegaram no campo de Aleppo a partir das ilhas do Dodecaneso em 1944 – poderiam esperar que inspeções médicas se tornassem parte de sua rotina diária. Depois que as autoridades médicas estivessem satisfeitas de que eles fossem saudáveis o suficiente para se juntar ao resto do campo, os refugiados eram divididos em alojamentos para as famílias, as crianças não acompanhadas, homens solteiros e mulheres solteiras. Uma vez atribuído a uma determinada seção do campo, os refugiados tinham poucas oportunidades de se aventurarem fora.

Recomendado para você:  Imam Al Bukhari e a Ciência dos Hadiths

Ocasionalmente, eles eram capazes de ir em passeios sob a supervisão de funcionários do acampamento. Quando refugiados no campo de Alepo realizavam a caminhada de várias milhas para a cidade, por exemplo, eles podiam visitar as lojas para comprar suprimentos básicos, assistir a um filme no cinema local – ou simplesmente obter uma distração da monotonia da vida no campo. Embora o campo de Moses Wells [no Egito], localizado a mais de 100 acres de deserto, não estivesse a uma curta distância de uma cidade, os refugiados foram autorizados a passar algum tempo de cada dia a tomar banho no Mar Vermelho que era próximo,’’

Brinquedos feitos pelos refugiados no campo de refugiados de El Shatt no Egito em 1945.

As condições eram esqualidas, mas não totalmente miseráveis. Havia playgrounds e pistas de esportes bem como oportunidades de lazer; moradores que queriam ganhar a vida ou aprimorar um ofício eram capazes de abrir seus comércios ou aprender algo através da formação profissional. Em outros casos, os refugiados eram obrigados a assumir trabalhos servis. A comida era racionada e, em alguns casos, os refugiados podiam comprar as suas disposições a partir de lojas locais. funcionários do acampamento encenavam peças de teatro e outros eventos recreativos. A política da terra natal, muitas vezes figurava sobre as circunstâncias do exílio dos refugiados. No campo de El Shatt no deserto egípcio, segundo um relato , esquemas iugoslavos simpáticos ao comunismo dominavam o funcionamento do acampamento, intimidado aqueles que não aderissem prontamente as suas fileiras, e tentavam doutrinar uma míriade de crianças com a sua propaganda. Em geral, porém, as crianças eram capazes de obter, pelo menos, uma educação rudimentar, como detalha o PRI :

‘’Para a maior parte, as salas de aula em campos de refugiados no Oriente Médio tinham muitos alunos e muito pouco professores, suprimentos inadequados e sofriam de superlotação.No entanto, nem todos os campos eram tão difíceis. Em Nuseirat, por exemplo, um refugiado que era artista completou muitas pinturas e postou-as em todas as paredes de um jardim de infância dentro do campo, fazendo com que as salas de aula ficassem “brilhantes e alegres.” Pessoas afortunadas na área doavam brinquedos, jogos, e bonecas para o jardim de infância, causando um funcionário do acampamento a observar que “compara-se favoravelmente com muitos nos Estados Unidos.”

Recomendado para você:  A vida do Imame Abu Hanifa

Crianças croatas escrevem as palavras para “a nossa escola” na areia no acampamento Tolumbat em 1945.

Enquanto isso, sob um esquema semelhante, o Irã tinha participado no assentamento de dezenas de milhares de poloneses que estavam fugindo do abate nazista e campos de trabalho soviéticos. Estima-se que em algum lugar entre 114.000 e 300.000 poloneses alcançaram o Irã entre 1939 e 1941, quando as ondas de migrantes desesperados e muitas vezes debilmente mal chegavam às margens iranianas do Mar Cáspio.

Um fascinante jornal cinematográfico americano americano do período, mostra um campo de refugiados poloneses equipado pela Cruz Vermelha Americana no norte do Irã, onde os polacos que fogiam da guerra podiam manter sua língua e costumes vivos enquanto “cultivavam o solo antigo da Pérsia” e formavam as fileiras de um novo exército polonês anti-fascista.

Para muitos poloneses, chegar no Irã foi um grande alívio, um descanso do trauma nazista e atrocidades soviéticas. Eles eram amplamente recebidos de braços abertos por seus anfitriões. “O amigável povo persa cerca o ônibus gritando o que deve ter sido palavras de boas-vindas e presentes de tâmaras, nozes, ervilhas torradas com passas e romãs suculentos empurrados através das janelas abertas”, recordou um professor polonês que passou a residir na cidade de Isfahan. Em última análise, após a conclusão da Segunda Guerra Mundial, a maioria dos refugiados europeus no Irã e em outras partes do Oriente Médio, voltaram para casa ou moveram-se para outros lugares. E a memória positiva de sua permanência no Oriente Médio possui pouco espaço em conversas contemporâneas sobre o influxo atual de imigrantes muçulmanos que entram na Europa – o governo de direita da Polônia se opôs veementemente à habitação de quaisquer refugiados sírios.

De acordo com um artigo da Associated Press em 2000, apenas 12 sobreviventes do êxodo polonês ainda vivem no Irã. Eles vivem suas próprias vidas, casaram-se com locais, e não são particularmente próximos. “Ocasionalmente, eles se reúnem para o Natal na embaixada ou em reuniões raras”, informou a AP. Mas acrescentou: “Eles preferem esquecer a tragédia que os une.”

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.