Página Inicial » História Islâmica » 6 importantes conversões ao Islam

6 importantes conversões ao Islam

Família Barmakid (Anos 600 – 900)

Os Barmakids foram uma família de administradores budistas da cidade de Balkh, no que hoje é o Afeganistão. Quando o Califado Omíada conquistouu a área nos meados dos anos 600, a família se converteu ao Islam. Após a Revolução dos Abássidas em 750, o Barmakids ganharam destaque como administradores talentosos. Eles levavam consigo séculos de experiência no Império Persa de como gerenciar grandes burocracias do governo, algo que os califas abássidas árabe ignoravam.

Como vizires, eles exerceram grande influência sobre a formação do império no final do século oitavo. Yahya ibn Khalid al-Barmaki foi particularmente influente. Ele foi apontado como o tutor e mentor do jovem Harun al-Rashid, que viria a se tornar o califa durante o qual os abássidas tiveram sua idade de ouro. Sob sua tutela, Harun al-Rashid conseguiu estabelecer a paz com os vizinhos, o crescimento do império econômico exponencial, o patrocínio de estudiosos, e um sistema de infra-estrutura que rivalizava com a da Roma antiga. A família Barmakid como um todo teve, assim, um enorme impacto sobre a forma política do mundo muçulmano que continuaria por séculos.

Berke Khan (Desconhecido – 1266)

Como o neto do grande conquistador mongol, Genghis Khan, Berke Khan foi uma figura importante no mundo Mongol, em meados dos anos 1200. Como outros mongóis, ele praticou originalmente uma forma de xamanismo pagã. Como líder na Horda Dourada – um exército mongol – ele foi enviado para o Cáucaso e Médio Norte da Europa para subjugar os turcos Kipchak. Ele finalmente conseguiu levar exércitos por todo caminho até a Hungria.

Exército de Hulagu Khan atacando Bagdá

Exército de Hulagu Khan atacando Bagdá

Em seguida, durante suas viagens de volta para a terra natal Mongol, ele parou em Bukhara, onde ele questionou os muçulmanos locais sobre suas crenças. Ele estava convencido da mensagem do Islam e se converteu, tornando-se o primeiro líder Mongol a aceitar o Islam. Depois de sua conversão, muitos dos soldados em seu exército também se converteram, levando a tensão com os outros exércitos mongóis, que estavam devastando terras muçulmanas, incluindo a antiga capital dos abássidas, Bagdá.

Recomendado para você:  Imam al-Shafi - o Pai do Usul al-Fiqh

Depois de ouvir sobre a pilhagem de Bagdá em 1258 por seu primo, Hulagu Khan, Berke prometeu vingança, declarando: “Ele (Hulagu) saqueou todas as cidades dos muçulmanos, e provocou a morte do califa. Com a ajuda de Deus, eu vou chama-lo para dar conta de tanto sangue inocente.” Ao aliar-se com o mameluco Sultanato do Egito, Berke conseguiu segurar o exército de Hulagu suficiente para evitar uma grande invasão (e destruição) do restante das terras muçulmanas no Egito, Síria e o Hijaz.

Zağanos Pasha (Desconhecido – 1461)

De origem grega ou albanês, Zağanos Pasha foi convocado para o corpo de janízaros elite do Império Otomano quando criança. Como outros janízaros, foi educado no Islam, administração civil, e as questões militares. Ele logo foi apontado como mentor e conselheiro para um jovem Mehmed II, que mais tarde se tornaria o sétimo sultão na dinastia otomana.

Quando se tornou sultão Mehmed, ele nomeou Zağanos Pasha como sua segunda vizir. Zağanos Pasha era comumente consultado sobre todos os assuntos de Estado, especialmente o cerco e conquista de Constantinopla, em 1453. Durante o cerco, ele foi dado o comando de uma seção do exército norte da cidade, e as suas tropas estavam entre o primeiro a capturar com sucesso uma porção das lendárias paredes de Constantinopla. Seu legado vive hoje nas inúmeras doações (incluindo mesquitas, cozinhas e banheiros públicos) em sua cidade natal de Balikesir, bem como em Edirne.

Ibrahim Muteferrika (1674-1745)

Uma acusação comum jogado no Império Otomano é que era intelectualmente estagnado e resistente a qualquer inovação. Um convertido ao Islam húngaro – Ibrahim Muteferrika – destoa frente à essa idéia. Ele era originalmente um diplomata otomano que conseguiu cultivar relações estreitas entre o Império Otomano, França e Suécia. Como resultado de seu trabalho diplomático, ele foi exposto a ideias europeias sobre o Renascimento e o uso ubíquo da imprensa.

Página de um atlas prensado por Ibrahim Muteferrika

Página de um atlas prensado por Ibrahim Muteferrika

Ao voltar para Istambul, ele estabeleceu uma prensa de impressão, onde cópias impressas de atlas, dicionários, e alguns livros religiosos foram prensados. Entre suas obras publicadas estão um atlas mundial feito pelo famoso geógrafo Katip Çelebi, que ilustra todo o mundo conhecido na época em detalhes incríveis e precisão. Além de simplesmente imprimir livros, Muteferrika também escreveu sobre vários assuntos, incluindo história, teologia, sociologia e astronomia.

Recomendado para você:  A vida do Imame Abu Hanifa

Alexander Russel Webb (1846-1916)

No final do século 19 na América, o jornalismo estava começando a decolar como um meio eficaz e influente para influenciar o público. Um dos homens que ajudaram a impulsionar esta onda jornalística foi Alexander Russell Webb. Não convencido sobre a sua religião cristã, e por ser um jornalista bem lido, ele começou a ler muito sobre outras religiões, e estava particularmente interessado no Islam. Quando foi nomeado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos para trabalhar na embaixada norte-americana nas Filipinas, em 1887, ele teve a oportunidade de começar uma correspondência com os muçulmanos na Índia sobre o Islam.

6 importantes conversões ao Islam Islamismo Muhammad Allah

Das 6 importantes conversões ao Islam, Malcom X é certamente o mais notável à nossa geração

Embora ele foi originalmente introduzido ao Islam através de membros do heterodoxo (e não-islâmico) Movimento Ahmadia, ele finalmente encontrou um caminho para ingressar ao Islam. Ele começou a viajar por todo o mundo muçulmano, estudando o Islam e se reuniu com estudiosos. Em 1893, ele renunciou ao cargo no Departamento de Estado e retornou aos Estados Unidos. De volta aos Estados Unidos, ele publicou vários livros sobre o Islam e começou um jornal islâmico explicando a religião para o público americano. Nas primeiras décadas do século 20, ele continuou a ser uma voz importante para o Islam nos Estados Unidos, sendo até mesmo nomeado cônsul honorário pelo sultão otomano Abdulhamid II. Ele morreu em 1916 e foi enterrado fora Rutherford, New Jersey.

Malcolm X (1925-1965)

Ao contrário de outros nesta lista, Malcolm X não é um homem que precisa de muito introdução. No início de sua vida, ele se esforçou para encontrar seu papel no mundo. Depois de abandonar a escola cedo, ele constantemente se viu em apuros, acabando na prisão em 1946. Durante seus oito anos de prisão, ele foi exposto às idéias da Nação do Islam – um grupo pseudo-islâmico fundado no início 1900 com base nas idéias de supremacia negra e o mal da raça branca. Depois de ter sido solto em 1952, ele se encontrou com o “profeta” da Nação do Islam, Elijah Muhammad, e tornou-se um ministro para o grupo.

Malcom X

Malcom X

Devido à sua eloqüência e inteligência incrível, Malcolm X rapidamente subiu na hierarquia da Nação do Islam, tornando-se um líder do grupo em meados da década de 1950. Como esta foi a era do movimento dos direitos civis americano, Malcolm X se tornou uma das vozes mais importantes da América que defendem direitos iguais para os afro-americanos. Ao contrário do que outro grande líder, Martin Luther King, Malcolm X acreditava que os negros deveriam se defender – até mesmo de forma violenta (se necessário) devido à opressão do governo.

Recomendado para você:  Imam Al Bukhari e a Ciência dos Hadiths

Até o final dos anos 1950, Malcolm X começou a ver alguns buracos nas crenças e idéias da Nação do Islam. Ele deixou o grupo e embarcou em uma jornada para encontrar o verdadeiro Islam. Ele foi para o Hajj, em 1964, em seguida, passou a visitar países muçulmanos e africanos. Durante esse tempo, ele aceitou o verdadeiro Islam e voltou para a América com uma nova determinação, que era espalhar o Islam entre a comunidade Afro-americana. Ele também mudou seu nome para El-Hajj Malik El Shabazz, embora a maioria das pessoas ainda o conheciam como Malcolm X.

Sua fala em público em nome do Islam e contra a Nação do Islam acabou por criar muitos inimigos entre os seus antigos aliados, especialmente quando muitos de seus fãs começaram a sair da Nação do Islam em favor da corrente principal Islam. O resultado disso foi o seu assassinato, em 1965, nas mãos de bandidos da Nação do Islam. Apesar de que seu tempo como um muçulmano foi curto, ele foi incrivelmente influente e continua a servir como um símbolo para os muçulmanos americanos e ativistas dos direitos civis nos Estados Unidos.

Fonte: http://lostislamichistory.com/6-great-converts-to-islam/

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.