Página Inicial » Opinião » Reflexão » 6 coisas que você não sabia sobre o Islam
6 meerkats curiosos

6 coisas que você não sabia sobre o Islam

1 – Os muçulmanos também acreditam em Jesus

Jesus está entre os 25 profetas citados no Alcorão, juntamente com Adão, Noé e Moisés. Apesar de não representar Deus conforme a principal tradição cristã, é para os muçulmanos o Messias, que irá retornar no fim dos tempos para liderar a comunidade islâmica e lutará contra o Falso Messias ou o Anti Cristo como geralmente nos referimos à entidade que representará o mal no final dos tempos.

2 – Nem todos tem a mesma opinião sobre os mesmos assuntos

Nem só pelo fato de existirem mais de 1,7 bilhão de muçulmanos no mundo que existem divergências entre diversos assuntos no mundo Islâmico. A forma de entender e praticar a religião varia de acordo com a interpretação dos sábios locais e na forma como o conhecimento do Islam chegou às pessoas daquela região.

A respeito da forma de chegada do conhecimento Islâmico, atualmente são consideradas 4 escolas de jurisprudência no Islam onde o entendimento da religião afeta a prática e a relação com assuntos do dia a dia do muçulmano. Cada escola se desenvolveu em regiões específicas e depois foram expandindo seu grau de influência. No decorrer do seu desenvolvimento cada uma foi assimilando processos de derivação de leis que afetam a forma de entender e praticar a Sharia.

Além disso, a cultura é fator determinante em muitas regiões já que muitas vezes elas representam uma força comportamental mais forte que a religião em si. Exemplos disso não faltam e podemos citar a mutilação genital em alguns países africanos, algo que é proibido pelas leis Islâmicas mas que persistiram mesmo após o advento da religião na região. Outro exemplo é a proibição à mulheres de dirigirem na Arábia Saudita. Isso é um fator cultural e que apesar das tentativas de justificar a ação com preceitos da religião, não representam a forma como as mulheres tem seus direitos garantidos na religião.

Recomendado para você:  Quero me converter ao Islam, e agora?

3 – O Islam não é uma religião para árabes

No entendimento dos muçulmanos, o Islam nasceu com o primeiro profeta, Adão, e teve sua mensagem adequada à cada povo em cada época até que veio em seu formato final para o Profeta Muhammad, que por isso é geralmente referido como o Último dos Mensageiros. Apesar de Muhammad ser árabe e do Alcorão ter sido revelado em árabe, isso não limita a aplicação e prática da religião em qualquer lugar do mundo.

As Leis Divinas ou Sharia, podem ser aplicadas em qualquer lugar e em qualquer Era. A aplicação da Sharia não significa atraso social, tecnológico e muito menos amputação de mãos e de cabeças. Também não significa que uma sociedade vai se arabizar. Muito longe disso, a maioria dos muçulmanos não são árabes e sequer falam árabe.

4 – As mulheres são as que mais se convertem

Apesar do estigma da mulher muçulmana oprimida, esses não são os valores pregados pela religião Islâmica, que por sua vez definiu e garantiu diversos direitos à mulher como direito à propriedade, ao trabalho e de fazer escolhas como com quem se casar, isso em uma época que esses direitos sequer existiam em outras comunidades.

Hoje isso não é diferente na maior parte dos países de maioria Islâmica onde as mulheres possuem direitos iguais aos homens garantidos por lei. Voltando ao fator cultural, é geralmente ele que limita a atuação da mulher na sociedade e não a Sharia ou Leis Islâmicas.

Movidas pela busca de conhecimento sobre a religião Islâmica, milhares de mulheres tem se convertido anualmente em países como Inglaterra como mostra a reportagem da Daily Mail. No Brasil esse fenômeno é similar.

Recomendado para você:  O que é o Islam?

5 – Jihad não é sinônimo de violência

A Jihad, um dos elementos mais conhecidos da religião Islâmica pelo público em geral é comumente traduzida como Guerra Santa ou é sinônimo de terrorismo para muitos. Podendo de fato significar uma ação marcial contra determinada força, a Jihad é principalmente entendida entre os muçulmanos como o esforço que se faz para lutar contra si mesmo, contra seus próprios desejos e vícios, para se aproximar assim cada vez mais de Deus.

6 – Allah não é um Deus dos muçulmanos

Quem nunca achou que Allah fosse um Deus próprio dos muçulmanos? Ao contrário do que muitos imaginam, Allah é a palavra em árabe para Deus. Uma prova disso é o fato de cristãos que falam árabe se referirem à Deus como Allah.

Os muçulmanos costumam se referir à Deus como Allah pois é a forma como Ele se denomina diversas vezes no Alcorão. Além de Allah, existem diversos outros nomes e qualidades que definem Deus segundo o Alcorão, podendo ser usados ao invés desse.

Se essa informação foi útil para você ela pode ser útil para outras pessoas também! Não deixe de compartilhar.

Sobre Iqara Islam

O Iqara Islam é uma página dedicada a apresentação do Islam Tradicional para muçulmanos e não-muçulmanos que buscam informação e conhecimento de qualidade sobre vários aspectos da religião islâmica, tais como: espiritualidade, jurisprudência, história e cultura. Sendo uma iniciativa independente, não visamos fins lucrativos. Somos totalmente contra a violência injustificada, terrorismo e ditaduras de qualquer natureza.